Olices Stefani

Endereço:
Abelardo Luz
Abelardo Luz, Santa Catarina
Brasil

Descrição

In Memoriam
O nome de Olices Stefani traz rapidamente à memória dos moradores de Abelardo Luz os eventos de fevereiro de 2004 que resultaram em sua morte, três dias antes de completar 52 anos, quando era presidente do Sindicato dos Produtores Rurais da cidade.
Relembrar sua história é repassar a história dos principais desafios da política e da economia de Abelardo Luz.

OS ESTUDOS

Filho de Maurilio Stefani e Maria Lourenci Stefani, Olices nasceu em Jaborá, em 19/02/52, que na época pertencia a Joaçaba.
Sua família se mudou para Abelardo Luz ao adquirir o hotel HOTEL VILA SERES, na Linha Vila Seres, no ano de 1962.

Fez seu ensino fundamental em Abelardo Luz e morou em Pinhalzinho no ano de 1969, para estudar na cidade vizinha de Maravilha-SC e voltou para Abelardo Luz, cursando o segundo grau técnico em Contabilidade na vizinha Clevelândia,

E estava cursando a faculdade de Gestão em Agronegócios em Xanxerê quando foi assassinado.
De fato, Olices sempre valorizou o estudo e a qualificação, criando e aproveitando oportunidades mesmo numa época em que o acesso era bem mais difícil do que hoje.

Já aí começa sua marca de não achar nada difícil demais, o que explica seu futuro engajamento com o trabalho rural de Abelardo Luz.

TRABALHADOR ATIVO E ATIVISTA

Mais uma vez com uma visão que não era comum entre os moradores de pequenas cidades na época, saía com uma kombi de porta em porta e nas fazendas fazendo as ´escrituras`e o imposto de renda das pessoas e empresas, e em 1974 abriu oficialmente o escritório de Contabilidade Stefani, que se mantém até os dias atuais sendo tocado por seus sucessores, os filhos Murieli Stefani (estudante) e Franciele Stefani Palomo (empresária e advogada).

Olices também tem uma terceira fillha, Maria Augusta Ferreira Stefani (estudante) e um neto, Arthur Stefani Palomo

Em 1976 começou suas atividades na área agrícola e pecuária, tornando-se um dos maiores produtores de grãos do município.
Em 1986, com seu irmão, Valdir Luiz Stefani, fundou a Sementes Stefani Ltda., unidade de beneficiamento e comercialização de grãos.

Convivendo de perto com as dificuldades dos produtores rurais de Abelardo Luz, especialmente no tocante a inventários escrituras e contratos, sua disposição o levou ao movimento cooperativo.
Foi um dos fundadores em julho de 1987 e presidente até dia do falecimento do Sindicato dos Produtores Rurais de Abelardo Luz –SC.

Foi fundador e presidente da Cooperativa de Alimentos e Agropecuária Terra Viva- COPTAR, localizada na Capital Catarinense da Soja, uma cooperativa genuinamente Abelardense, fundada em 31 de julho de 1991, com sua área de atuação no oeste catarinense.

UM DIA TRISTE DE UMA HISTÓRIA DE REALIZAÇÕES

Olices Stefani nunca se envolveu com a política propriamente dita, embora seu irmão, Valdir tenha sido vereador, ele mesmo nunca foi dedicado a cargos políticos, trabalhando exclusivamente com a liderança sindical.
Qualquer pessoa que conheça a realidade de Abelardo Luz sabe o que isso significa: uma cidade de atividades agrícolas intensas ao lado de comunidades indígenas naturalmente tem um quadro temeroso, comum em várias regiões do Brasil com as mesmas características.

Um dos objetivos do sindicato era justamente ajudar os produtores nas disputas com os índios.
Ambos os lados têm naturalmente o direito de lutar por suas reivindicações: sempre de forma organizada e legal, que era o trabalho que Olices coordenava em Abelardo Luz.

No entanto, na madrugada de 16 de fevereiro de 2004, na Linha Embu, uma região de litígio de terras, seu carro, em companhia de seu amigo e parceiro na defesa dos agricultores, Sérgio Dalben, foi barrado por índios Caingangues da região e da reserva de Mangueirinha, no Paraná.

Os índios estavam obstruindo a rodovia e ameaçando invasões em propriedades rurais da região.
Embora Olices tenha evitado o confronto e dado ré para se retirar, foi alvejado pelos índios na cabeça, morrendo na hora.

Sem dúvida, Olices foi até o fim ativo, engajado e empreendedor, contribuindo de maneira decisiva para o crescimento de Abelardo Luz em sua principal atividade econômica.
Com espírito de liderança e de inovação ele teria contribuído de sobremaneira à política abelardense se tivesse optado por ela.

Esperamos que os que ficaram, nas esferas municipal, estadual e federal, valorizem o trabalho de pessoas como ele e lutem por condições justas e humanas de evitar e resolver conflitos que em uma sociedade avançada nunca precisarão de qualquer forma de violência para seus fins, não importam quais sejam as reivindicações.