Jader Barbalho

Endereço:

Belém, Pará
Brasil

Descrição

Jader Fontenelle Barbalho (Belém, 27 de outubro de 1944) é um político e empresário brasileiro. Em sua carreira política foi vereador, senador, deputado, governador e ministro. Ele é o pai de Helder Barbalho, ex-prefeito de Ananindeua e em 2014 candidato a governador do estado do Pará, e ex-marido da deputada federal Elcione filho de Laércio Wilson Barbalho, sobrinho do ator Lúcio Mauro e primo de Lúcio Mauro Filho.
Em sua carreira, Jader Barbalho foi alvo de várias denúncias de corrupção e malversação de recursos públicos. Ele é o proprietário do Grupo RBA de Comunicação e do jornal Diário do Pará, e um dos acionistas da TV Tapajós, afiliada à Rede Globo. Com início humilde em Belém, Jader tornou-se um milionário após várias décadas na política.
Jader Barbalho renunciou ao cargo de senador em 2000, sob denúncia de desvio de verbas públicas da SUDAM, do Banpará e do INCRA. Jader foi preso por alguns dias, e a SUDAM foi fechada. Mas Jader tornou a ser eleito deputado federal em 2002 e 2006 e senador em 2010. Em 2010, ele foi considerado inelegível por ter renunciado o cargo de senador apos briga com Antônio Carlos Magalhães, como ficha-suja, mas conseguiu reverter a decisão no Supremo Tribunal Federal.
Jader Barbalho apoiou os governos José Sarney e Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso e Lula. Ele é um dos personagens principais do documentário estadunidense Send a Bullet e dá nome ao bairro Jaderlândia, em Ananindeua, e ao Estádio Jader Barbalho, em Santarém.
Sua carreira política teve início sob a legenda do MDB, sendo que seu primeiro mandato político foi o de vereador em Belém no ano de 1966.
Formado em Direito na Universidade Federal do Pará pouco atuou como advogado, priorizando a política e sendo eleito deputado estadual em 1970 e deputado federal em 1974 e 1978.
Em 1982 foi eleito governador do Pará pelo PMDB, em parte graças ao apoio de uma dissidência do PDS liderada por Alacid Nunes. Após cumprir integralmente um mandato de quatro anos foi nomeado Ministro da Reforma Agrária pelo presidente José Sarney e a seguir Ministro da Previdência Social.
Em 1990 conquistou seu segundo mandato de governador do Pará e em 1994 se desincompatibilizou do mandato em favor do comunicador Carlos Santos, meses antes de ser eleito senador.
Assumiu o cargo no Senador em 1º de fevereiro de 1995. Na Câmara Alta do país foi líder do PMDB no Governo FHC.
Em 1998, tentou voltar pela terceira vez como governador do Pará, mas foi derrotado na disputa em segundo turno por Almir Gabriel, que foi reeleito governador pelo PSDB.
No mesmo ano, foi eleito presidente nacional do PMDB.
Apesar das denúncias, se candidatou e foi eleito deputado federal mais votado pelo Pará em 2002, com 344.018 votos e reeleito em 2006 com 311.526 votos, mantendo ainda considerável influência nos meios políticos paraenses e mesmo junto ao governo federal. Como exemplo de seu poderio integrou o conselho político que trabalhou a favor da reeleição do presidente Lula e articulou a candidatura de seu primo, José Priante, ao governo do Pará em 2006.